Bravos contra Bravos

9.00

Bravos contra Bravos

«Recuperar a memória histórica é uma forma de colocar sob o nosso olhar acontecimentos e figuras que ajudam a entender como chegámos até aqui e somos assim, neste tempo e num lugar que é o nosso.

Bravos contra Bravos recompõe aquela que, segundo Vitorino Nemésio, é «a grande página de história insular»: o tempo em que os Açores se transformaram na plataforma atlântica que permitiu ao Liberalismo ensaiar um novo modelo de sociedade e partir, depois, à conquista do território continental português.

A narrativa de Madalena San-Bento centra-se nos eventos mais importantes dessa aventura, tendo o cuidado de apresentar as motivações políticas, sociais e até familiares que empurraram Portugal para uma guerra civil que levou, por fim, ao triunfo do Liberalismo. Tudo isso numa abordagem acessível e numa linguagem apelativa (a que se associam as ilustrações de Luís Cardoso) capazes de captar a atenção do leitor, com o qual a autora estabelece uma relação de proximidade.»

Urbano Bettencourt

 

«Bravos contra Bravos é a concretização de um projeto idealizado pela Rede Regional de Bibliotecas Escolares dos Açores, iniciado no ano letivo de 2018-2019, que se reveste de grande potencial pedagógico para os alunos e os docentes, realçando a nova disciplina de História, Geografia e Cultura dos Açores, bem como, a área de Cidadania. Pretende promover, para além do gosto pela leitura e pela escrita, o gosto pelos valores da identidade, da cultura e o (re)conhecimento da História Local, para toda a comunidade educativa.

Rede Regional de Bibliotecas Escolares dos Açores

Textos: Madalena San-Bento     Ilustrações: Luís Cardoso

 

Em stock

Descrição

Madalena San-Bento

Madalena San-Bento nasceu em 1966 em P. Delgada, S. Miguel. Licenciada em História, lecionou as disciplinas de História, Português, Cidadania, Área de Projeto, Formação Cívica, estudo Acompanhado e Linguagem e Comunicação, tendo desempenhado vários cargos e funções no âmbito desta atividade profissional. Foi formadora convidada na disciplina de Palestra em cursos profissionais e formadora creditada pela Secretaria Regional da Educação e Cultura, para a qual ministrou ações de formação. É membro da Direção do Instituto Cultural de Ponta Delgada, conferencista em palestras de temática variada, a convite de entidades públicas e privadas e Júri de concursos literários. Colabora assiduamente com a imprensa e revistas da especialidade e é comentadora convidada da RTP Açores. Fez parte da Comissão elaboradora do documento das Competências Essenciais do Currículo Regional do Ensino Básico, foi uma das responsáveis pelo programa da rádio “Cultura no Feminino”, pertenceu à Comissão Coordenadora do Plano Regional de Leitura e integra a Comissão Operacionalizadora do Plano Regional de Leitura. Neste momento, exerce as funções de Diretora da Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada. Em 1989 foi premiada pela Secretaria da Juventude com o conto “Chuva de Cinzas” e em 1994 recebeu o prémio Vitorino Nemésio pelo romance “Os Expostos”. Em 1997 publicou o ensaio “Esta Santa Casa” sob patrocínio da Santa Casa da Misericórdia da Ribeira Grande. Em 2005 foi premiada pela Secretaria Regional da Cultura com o romance “Diário das Mulheres Toleradas” e em 2010 publicou o conto infantil “A Viagem de Aurora”, edição da Câmara Municipal da Ribeira Grande.” Em 2013 publicou “Da Anunciada”, em 2015 “O Editor” e em 2017 “Terra Nostra Terra Sonhada” – romances Históricos com a chancela da Ver Açor. Em 2018, a convite da Junta de Freguesia da Maia, publica “Maia – A coragem renovada, um amor com tradição”. Em 2019, a convite da editora Ver Açor / Predicado Inclinado escreve os textos para o livro “Açores – Um Roteiro Interior”, uma nova abordagem ao roteiro turístico, dotado de uma história sentimental.

 

Luís Cardoso

Luís Cardoso nasceu em 13 de dezembro de 1979, em Mem-Martins. Em 2013, em Coimbra, concluiu a Licenciatura em Professores do Ensino Básico, variante de Educação Visual e Tecnológica. Sempre desenhou, mas foi a sua vinda para os Açores que deu origem à sua carreira gráfica publicada. A par de algumas exposições de cartoons ao longo dos anos, publicou o livro “Açorianite Aguda (e outras maleitas…)” e ilustrou trabalhos para diversos autores, entre eles “A Amizade a Branco e Preto”, de Patrícia Carreiro. Em 2013 foi convidado a fazer uma comunicação nas palestras do 1.º TEDx Ponta Delgada. Foi Cartoonista do jornal “Correio dos Açores” de 2013 a 2016 e, desde essa data, publica os seus cartoons nas redes sociais, sempre com uma intenção de crítica social e de “Filosofia Desenhada”. Mais recentemente, numa colaboração com a autora Ana Margarida Caramez, ilustrou “Diferentes, mas iguais” e “Passo a passo, até Santiago” para a coleção “Histórias da Menina Catita”. Tem ilustrado obras de literatura infantojuvenil de forma constante e regular, com alguns trabalhos em fase de publicação. É coordenador da Biblioteca Escolar (BE) Integrada (EI) na Rede Regional de Bibliotecas Escolares (RRBE) da EBI de Angra do Heroísmo, cargo que desempenha desde o ano letivo de 2018-2019.

 

Mais Livros Letras Lavadas

Informação adicional

ISBN

978-989-735-294-2

Edição

2020

Idioma

Português

Encadernação

Capa mole

Editora

Letras Lavadas