A Felicidade das Coisas Imperfeitas

16.00

A Felicidade das Coisas Imperfeitas

Nada nos é garantido. Joguetes da sorte que nos coube, rimos para enganar o desespero ou vemos o riso a que temos direito encher-se de lágrimas. A nossa vida é, então, uma comédia triste, onde morremos de tanto rir. E o amor só nas coisas improváveis nos é permitido. É a flor do mal que nos sai ao caminho. Bálsamo ou veneno?

Assim se poderia caracterizar o percurso de vida do narrador que, de modo diverso, se conta no romance e no argumento para cinema que anda a escrever. É a história enervada do jornalista Gabriel Rocha, femeeiro incorrigível, de repente tocado pelo susto da atração homossexual e pela recusa da velhice adivinhada que vem nas primeiras rugas e nos espelhos.

Mas também a vida de cada uma das personagens que ele convoca. O ator gay luso-tailandês que se junta a Gabriel e a Clara e está longe de ser o vértice murcho do triângulo amoroso. A viúva que, no velório do marido, cai nos braços do poeta e daí já não sai. O ajudante de cozinha que tem um fraquinho por cicatrizes. O proprietário de um restaurante que recruta raparigas de estação no Facebook. O realizador que vê nos clichês do riso e da lágrima o melhor que há na nossa humana imperfeição. O escritor homofóbico que, afinal, não dispensa um jantar de carne no espeto num bar gay. A amante que conversa, na horizontal, sobre os temas e problemas da vida do protagonista. O cozinheiro vítima de bullying de um grupo de crianças.

E outras personagens que, com as indicadas, partilham a procura da felicidade das coisas imperfeitas. Não serão todas salvas pelo riso.

Autor: Artur Veríssimo 

 

Em stock

Categorias: , Etiquetas: ,

Descrição

ARTUR DE SOUSA VERÍSSIMO

Nasceu a 5 de fevereiro deArtur Verissimo 1956, em Angra do Heroísmo (São Mateus). Ligado à ação educativa desde 1975, exerceu para além da docência, vários cargos de chefia e de formador, tendo sido, também, coordenador e coautor de manuais escolares de português (1992-2013), na Areal Editores, e diretor executivo da revista (In)formar.

Mestre em cultura e literatura portuguesas, pela Universidade dos Açores, publicou, para além das novelas Uma pedra no sapato (1988) e Uma rapariga celta sentada num javali (2014), as obras didáticas Registos de observação e Dicionário da Mensagem (2000). Foi distinguido com o prémio literário Almeida Firmino (1988), com o original A serpente (está escondida) na relva.

A felicidade das coisas imperfeitas é o seu primeiro romance.

Mais livros Letras Lavadas

 

Informação adicional

Peso 0.500 kg
Dimensões (C x L x A) 23 × 16 × 2.5 cm
ISBN

978-989-7352-867

Edição

01 – SET – 2020

Idioma

Português

Encadernação

Capa mole

Páginas

336

Editora

Letras Lavadas