A Oposição Democrática em Ponta Delgada

16.00

A Oposição Democrática em Ponta Delgada

Dois acontecimentos marcaram o distrito de Ponta Delgada na fase final do regime marcelista. Em 1969, a oposição democrática obteve uma expressiva votação nas eleições, apesar de todas as pressões exercidas e falcatruas na contagem dos votos. Venceu em várias mesas eleitorais, quer na cidade quer no campo, obtendo o segundo melhor resultado a nível do país, com a sigla da CDE. Destacaram-se nesta jornada Melo Antunes, Borges Coutinho, o padre Weber Machado, Júlio Quintino, Manuel Barbosa, Eduardo Pontes e tantos outros, a que não faltou o entusiástico apoio da juventude.

No ano seguinte, foi fundada a cooperativa cultural Sextante, que abriu sedes e livrarias em Ponta Delgada, Ribeira Grande e Angra do Heroísmo. Sempre vigiada pela polícia política (PIDE), recebeu várias visitas e extorsões de livros, sendo encerrada em 1972.

A análise de todo este movimento político e cultural é desenvolvida de forma dinâmica no livro de Carlos Enes, A oposição democrática em Ponta Delgada.

Autor: Carlos Enes

Em stock

Descrição

CARLOS ENES

Nasceu (1951) na Vila Nova, ilha Terceira.

Professor de História no Ensino Secundário, desde 1978, exerceu também funções docentes na Universidade Eduardo Mondlane (1981-84), Maputo, e na Universidade Aberta (1996-2003), Lisboa.

Mestre em História Contemporânea (1993), pela Universidade Nova de Lisboa, dedica-se há vários anos à investigação e ao estudo da história açoriana, com destaque para o século XX. Com mais de uma dezena de livros e duas dezenas de artigos publicados, participou em colóquios e fóruns (cerca de 40) nas mais diversas instituições. Tem colaboração abundante na Enciclopédia Açoriana, edição online, na História dos Açores, editada pelo IAC, e no Dicionário de Educadores Portugueses.

No campo da etnografia aprofundou estudos sobre o Carnaval e as festas do Espírito Santo na Terceira. Na área da cultura, comissariou várias exposições, participou em júris para a seleção de obras a subsidiar pela DRAC, e é membro do Conselho Regional de Cultura.

É autor do romance Terra do Bravo (2005), edição esgotada, e de Cicatriz da Chuva, poesia (2016). Foi deputado à Assembleia da República pelo Partido Socialista, na legislatura de 2011-2015.

Das obras publicadas destaque-se os seguintes livros: As danças do Entrudo (1980), A economia Açoriana entre as duas guerras mundiais (1994); Luís da Silva Ribeiro, Obras, vol. IV, Escritos Político-administrativos (estudo introdutório e a organização) (1995); A Casa dos Açores em Lisboa (1996); A Memória Liberal na Ilha Terceira (2001); Vila Nova – pelos caminhos da sua história (2011); A fotografia nos Açores (2011); Álbum Terceirense, 4 volumes (2007-18); Angra do Heroís­mo – Alma e Memória (2019).

Mais livros Letras Lavadas

 

Informação adicional

Peso 0.528 kg
Dimensões (C x L x A) 22.5 × 16 × 1.5 cm
ISBN

978-989-735-2768

Idioma

Português

Encadernação

Capa mole

Páginas

212

Editora

Letras Lavadas