Ilha-América

14,00 

Em stock

Ilha-América

Em 1960, as ilhas atlânticas dos Açores são o centro do mundo. Numa noite iluminada, um vulto adolescente invade a pista do aeroporto internacional e aguarda que um Lockheed Super Constellation acelere os quatro hélices. O seu plano é alcançar o trem de aterragem dianteiro, trepar a altura de dois homens e enfiar-se no vão da roda. Depois, aguardar que a aeronave suba e confiar que haja espaço para si, para o enorme pneu e para o sonho de chegar à América. Confere os três papo-secos nos bolsos, limpa as mãos na tee-shirt e respira fundo duas vezes. Está pronto a lançar-se a uma nova vida.

Nos anos auspiciosos da história da ilha de Santa Maria, o aeroporto, construído pelos americanos no final da Segunda Grande Guerra sob a aprovação de António Salazar, torna-se a principal escala técnica para a maioria dos voos transatlânticos de grandes companhias aéreas e oferece oportunidades de trabalho preciosas a todos os açorianos.

Terminada a crise vulcânica dos Capelinhos, na ilha do Faial, o Azorean Refugee Act abre as portas da emigração para os Estados Unidos da América e espalha por todo o arquipélago um clima atípico de evasão. Não há família que não veja alguém dos seus embarcar para o Novo Mundo.

Este livro é baseado na verdadeira história de Daniel Melo, um mariense de 16 anos que viajou 3.600 quilómetros sobre o Atlântico escondido no trem de aterragem de um avião, com destino aos EUA.

 

Autor: Pedro Almeida Maia

Partilhe nas suas redes:

DETALHES DO PRODUTO

Informação adicional

Peso 0,264 kg
Dimensões (C x L x A) 22 × 14 × 1,5 cm
ISBN

978-989-735-439-7

Edição

3.ª edição (Janeiro de 2023)

Idioma

Português

Encadernação

Capa mole

Editora

Letras Lavadas

Pedido Especial

Com autógrafo do autor, Sem autógrafo do autor

SOBRE O AUTOR

Pedro Almeida Maia

Pedro Almeida Maia (Ponta Delgada, 1979) é um psicólogo organizacional e autor português. O seu sexto romance, A Escrava Açoriana (2022), tem sido agraciado pela crítica como “uma narrativa de grande fôlego” (Onésimo Teotónio Almeida) ou “um romance soberbo e bastante original” (Telmo R. Nunes) com “uma escrita vibrante, irónica, visual e às vezes remota nos seus açorianismos ocasionais” (João de Melo). O seu trabalho anterior, Ilha-América (2020), foi considerado “mais um grande romance a enriquecer a literatura açoriana” (Santos Narciso, Atlântico Expresso) ou um “romance fundamental do nosso cânone, da nossa História” (Vamberto Freitas, Açoriano Oriental).
Venceu os prémios literários Letras em Movimento (2010) e Discover Azores (2014), foi seleccionado para a Mostra LabJovem (2014) e para a Antologia de Contos do Centro de Estudos Mário Cláudio (2018), e três dos seus livros estão no Plano Regional de Leitura dos Açores.
O jornal Correio dos Açores elegeu-o como Escritor do Ano 2014, além de considerado “uma respeitável voz da nova literatura destas ilhas” (Onésimo Teotónio Almeida, Diário de Notícias), “junto dos melhores escritores portugueses contemporâneos” (Telmo R. Nunes, Portuguese Times) e “no centro deste furacão literário que certamente marcará a literatura açoriana do século XXI” (Miguel Real, Jornal de Letras).
Começou o seu percurso literário a escrever para música, a partir de 1996. Seguiram-se crónicas dedicadas às artes (2011), na rubrica “Pavilhão Auricular” do semanário Terra Nostra, e à sátira de “Cronicista”, no jornal Fazendo. Estreou-se no romance em 2012, com o policial Bom Tempo no Canal, seguindo-se Capítulo 41 em 2013, o drama Nove Estações em 2014 e a ficção científica A Viagem de Juno em 2019.
Realiza incursões noutros géneros, como na literatura infantil, poesia, conto e ensaio, iniciando-se no guionismo com o argumento para a série de televisão Islanders, com produção de Ana Lopes e realização de Hugo França, tendo sido anunciado em 2019 o episódio piloto “Under the Light”.

 

Este livro está inserido no Plano Regional de Leitura.

 

Mais livros Letras Lavadas

Também pode gostar

Também pode gostar…

Outras Sugestões