nunca é tarde para o mar não deixar secar

18,00 

Em stock

A importância da escrita de José Gonçalves não se queda na anatomia do livro, na sua orgânica, no funcionamento divergente dos seus órgãos, nem no que é notoriamente uma abordagem ímpar da Língua. Mas que o conjunto destas múltiplas coragens pede a coragem da leitura, é inegável. Assim o atestarão os leitores mais resolutos e carentes do assombro, que navegarem no amarante e se lançarem à pesca do pão-do-sal, e habitarem pouco-de-mar e ombrearem com amélia, com vasco, o trazido-pelo-mar, com o filho-que-nunca-voltará ou com o pai-das-lágrimas, e que ouvirem deste narrador que anuncia logo e assim o firma: «não desdirei nada que o mar sussurre.» José Gonçalves, com a sua voz singular, monta magistralmente um imaginário de geografias e territórios emocionais e humanos, nos quais apenas o afogamento é viável. Não como morte, mas como o regresso do mar a nós mesmos, que dele sempre fomos.

João Pedro Porto

Autor: José Gonçalves

 

Partilhe nas suas redes:

DETALHES DO PRODUTO

Informação adicional

Dimensões (C x L x A) 23 × 15 × 2,91 cm
ISBN

978-989-735-486-1

Edição

2023

Idioma

Português

Encadernação

Capa Mole

Editora

Letras Lavadas

SOBRE O AUTOR

JOSÉ GONÇALVES

Natural de Amarante, ingressou na Marinha Portuguesa, onde serviu durante vários anos, tendo sido louvado pelo serviço prestado. Continuou o seu percurso profissional na área da Educação e Formação como Formador, Coordenador e Mediador Pessoal e Social, e desempenhando várias funções em diversos projetos na área da Cultura como Mediador Cultural, Produtor e Programador Cultural. Licenciado em Ciência Política e Relações Internacionais, com Pós-graduação em Património Cultural Imaterial, dá continuidade aos estudos na área da História e Património, no ramo de Estudos Locais e Regionais – Construção de Memórias. Dedica-se à investigação no âmbito dos Estudos Saramaguianos e Agustinianos e do Património Cultural, focando-se no território amarantino, colaborando, ainda, em vários projetos artísticos e culturais. nunca é tarde para o mar não deixar secar é o segundo livro de um tríptico dedicado ao mar e aos direitos humanos, iniciado com filhos de humanizado sal (2017), seguindo-se Vivalma no lar do esquecimento (2020), com um olhar sobre o território e as pessoas que o habitam, dedicado à aldeia de Cem Soldos.

 

Também pode gostar

Outras Sugestões